1ª CIRCULAÇÃO O BONECO DE COR 5 anos


Introdução
O presente relatório é a prestação de conta do 1º projeto que a Cia. foi


contemplada em Goiânia pela lei de incentivo a cultura 2016/2. Mas realizado em 2017. Não ser somente uma ação burocrática que conclui uma  relação formal dada pelo incentivo, mas uma peça que possa ser divulgada.  Ajude os futuros  proponentes que, excedendo sua visão critica possam extrair, desta experiência, contribuições relevantes para seus trabalhos futuros.

Teatro do Maleiro formas animadas y títeres
É uma Cia. de teatro de bonecos e formas animadas, que desde 2008 vem pesquisando e construindo espetáculos, para  públicos de diversas idades. E que possamos fortalecer o conhecimento de uma arte pouco explorada aqui em Goiânia e em Goiás. O teatro de boneco é o nosso foco principal. Mas a cia. também relaciona com outras artes, exemplo: cinema, literatura e artes plásticas. No currículo da Cia. tem 4 espetáculos. 7 documentários e um livro de poesia que a cia. ajudou a confeccionar. E envolvendo com a construções de bonecos para outras Cias de Goiás e fora do estado. A Cia. também ajudou a formar outros grupos e em destaque é a Cia. Pés de Lata com espetáculo “Aurora” estreado em 2016. São varias pessoas envolvidas no projeto: Produção, acessória, iluminador, fotógrafos, atores, figurinistas, costureira, técnico de som, design e outros  profissionais que completam uma equipe de grande excelência.


O Projeto
Foi elaborado já algum tempo com expectativa de expandir e chegar em alguns lugares que não tem acesso a arte. Principalmente nas periferias, escolas e lugares não convencionais de apresentações. E que o projeto pudesse ser custeada pelo um órgão ou empresa que  confiasse  no nosso trabalho. E uns dos objetivos foi desenvolver uma nova experiência de circulação em Goiânia e fora do estado, envolvendo o espetáculo O BONECO DE COR e a oficina pelo projeto da cia. que se chama LABORATORIO DE PROCESSOS CRIATIVOS.
ü  A circulação se fez necessária para divulgar o trabalho da Cia. e fomentar uma das artes mais antigas de expressão artística “Teatro de Bonecos, Teatro de Animação ou Teatro de Objetos. Considerando que muitos que assistiram foram pela primeira vez.
ü  Apresentamos os trabalhos de pesquisa que a Cia. exerce sobre os bonecos – em escolas, aldeias indígenas, teatros e praça.

ü  Ministramos um workshop no teatro Martin Cererê e duas oficinas praticas, terminando com uma palestra no teatro Martin Cerere para escola Gustavo Ritter e uma em Tocantins-Palmas para os estudantes de teatro da Escola Municipal de tempo integral Caroline Campelo Cruz da Silva
ü  Apresentação  do espetáculo e oficinas  – ocorreram de forma gratuita.  E que foi muito interessante foi nos travar um laço de amizade com os moradores e produtores da região.

Descrição do projeto

O projeto tem a descrição de tratar-se de uma circulação do segundo espetáculo da Cia. baseado na garantia de uma série de atividades tradicionais (aquelas que vem sendo desenvolvidas pela Cia. Teatro do Maleiro no decorrer dos anos) e atividades inovadoras (consideradas assim  os debates, mostras de vídeos e o processo da construção do espetáculo, além das apresentações).
Nossos objetivos gerais foram  assim definidos e alcançando ou não:
a)   Promover o espetáculo e a oficina pretendida em uma ação de fortalecimento da cia. no seu desenvolvimento como um grupo. 
- No nosso entender alcançado.

b)   Espaços em Goiânia: - Em alguns lugares não foram alcançados para expor o nosso trabalho da forma prevista. O calendário dos teatros previstos, estavam ocupados. Exemplo: teatro do Setor Universitário CCUFG e com a paralização do Espaço Cultural Geppetto no inicio do ano localizado no Setor Pedro Ludovico. Fomos obrigado a colocar no PONTO DE CULTURA CIDADE LIVRE em Aparecida de Goiânia e na ESCOLA MUNICIPAL MARIA ARAÚJO DE FREITAS, no bairro Parque Atheneu.  Então estas  possibilidades, foram também valiosas, lugares que o espetáculo ainda não tinham se apresentado.  

c)    Com a dificuldades que ainda temos de levar público para os teatros. Levou a nós buscar Escolas públicas e que apontou para uma parceria muita significativa. Todas as apresentações teve muitos jovens e crianças sempre com plateia cheia.


d)   Oficinas – tivemos que fazer adaptações na nossa didática, e um  dos motivos foram a alternância dos participantes, nas oficinas.


Plenamente alcançado  


Travamos um novo
relacionamento com
as pessoas próximo a sede 
daCia. que fica localizado no
bairro Parque Atheneu. 
E um dos motivos foram
apresentação na Escola 
municipal Maria Araújo de
Freitas, que fica no mesmo
bairro. Principalmente com
os jovens, coordenadores da
escola  e moradores da
 terceira idade que estudam
      na escola a noite.  


Ø Objetivos específicos almejado com execução deste projeto foram avaliados assim:

    i.         desenvolver intenso trabalho de aproximação com as escolas públicas. Realizando especialmente dedicada para os seus  alunos e professores./
Ø alcançado com sucesso apontando para novas perspectivas.

  ii.        Realizar oficinas –
alcançado com sucesso mas com pequeno ressalvo que o tempo da oficina não deu para aprofundar, e que na próxima Ø oportunidade provocaremos maior tempo e dias para o desenvolvimento com teatro de bonecos.

    i.        Estabelecer parceria com demais espaços, grupos artísticos, escolas.
Ø Alcançamos em parte, mas tivemos boas  respostas dos lugares que passamos, com possibilidade de voltar.


Construção da arte gráfica
Quem ficaria responsável pela arte era o design Marcos Amaral Lotufo. Por motivo de saúde tivemos que colocar a Débora para fazer o trabalho. E abaixo o seu depoimento e seu processo.


Depoimento de DEBORA BRITO DESIGN - Foi um prazer enorme trabalhar com o Marrom e a Cia. Teatro do Maleiro! Desenvolvi o cartaz de um modo livre e criativo. Tive autonomia e confiança no meu trabalho e a certeza de que esse espetáculo levou muitos sentimentos bons por onde passou!
Pensei desde o começo da criação dos cartazes, usar os personagens que aparecem no espetáculo, porque nós assistimos a eles quando somos expectadores.  São as histórias deles que estamos assistindo. Não usei uma paleta de cores tão vibrantes e lúdicas de modo que ficasse com um toque meio sério, levando em consideração o enredo que se passa, sobre velhice, preconceito, sofrimento e outras problemáticas abordadas. A mala onde eles estão sentados é uma alusão ao nome da Cia. 


As Fotos ficou a cargo da artista Layza Vasconcelos:
Venho através desta, relatar os pontos positivos e negativos de minha participação como fotografa, no Projeto da Teatro do Maleiro O BONECO DE COR 5 ANOS, de meu colega Marrom. A alguns anos vejo a evolução crescente deste artista admirável, neste trabalho presenciei toda sua busca, estudo, e dedicação brilhando em cima do palco. Tenho orgulho de presenciar ao longo dos anos, o talento de um colega despontando e sendo esculpido com o tempo. Trabalho de bonequeiro, ator, figurino dos bonecos, luz de palco e direção de cena dos bonecos, lindos e impecáveis.
A única coisa que tenho para acrescentar, que pode soar negativo, mas espero ser positivo, ajudando no crescimento pessoal e profissional, é que, as vezes o Marrom poderia ouvir mais os colegas de equipe, colhendo outras opiniões podendo assim acrescentar fatores novos ao trabalho, quem está de fora pode ter uma visão diferente abrindo novas possibilidades.
Enfim, desejo todo sucesso do mundo meu amigo, siga sempre assim, em sua estrada, rumo a sua evolução pessoal e profissional.
Beijo grande
Layza Vasconcelos

ALDENE José Proprietario da empresa Topada Produções
Sempre presente com a cia. Tivemos a oportunidade de trabalhar em mais um projeto.
A atividade  artística goiana tem se expandido constantemente e, além dos méritos artísticos, cabe a nós reconhecer os incentivos governamentais. A obra 5 ANOS DE TEATRO DO MALEIRO é um reflexo disso, visto que proporcionou a arte tanto para o repertório goiano como também para outros estados, como Tocantins, além de ser apresentada também na capital brasileira, o Distrito Federal. O autor e ator Marcos Marrom esteve presente em lugares cuja arte se fez viva, e cujas experiências de espectadores com a manipulação de bonecos tanto foi real quanto foi emocionante. Eu tive, Aldene José, a oportunidade de registrar esses momentos. Momentos de necessidade artística, momentos de reflexão artística, como também momentos de simplesmente sorrir e 'curtir'. Grato a equipe TEATRO DO MALEIRO e a todos os amantes do teatro de bonecos. 


Ao capturar os elementos audio visuais do projeto foram pensadas, além de necessidades do próprio idealizador da obra, em ângulos e focos que pudessem transmitir a energia tanto do público quanto da apresentação em si. É claro que se faz necessário ressaltar as limitações de captura em determinados ambientes devido aos espaços proporcionados pelo próprio ambiente, ou seja, sua arquitetura. Pensou-se em capturar o envolvimento do público momentos em que personagens da peça que se envolviam diretamente com o público.


A edição é desenvolvida pensando nas possíveis mudanças de apresentações de mídias, como por exemplo os teaser - trailers de curta duração - , em trailers convencionais, mostrando as performances do apresentador Marcos Marrom, como também um vídeo de maior duração, mostrando com maiores detalhes a trajetória do idealizador da obra durante todo o circuito.

RODRIGO ASSIS ILUMINADOR:
 "O processo de apresentações foi muito gratificante, tanto para o publico quanto para a equipe técnica do espetáculo, eu já faço a luz deste espetáculo desde 2011, desde aquela época contribuo através da iluminação os ensejos do diretor de passar para o publico a mensagem do espetáculo.
   Esta temporada em especificamente eu não participei de todas as apresentações por que algumas foram feitas em espaços abertos durante o dia, então se fez desnecessário o uso de equipamentos de luz para o mesmo. A apresentação que tive participação efetiva foi no teatro do IFG (Instituto Federal de Goiás), apesar de ser um ótimo espaço para apresentações, tivemos um pouco de dificuldade devido às politicas do espaço, que no qual não temos o teatro a nossa disposição o dia todo, tendo que montar a luz pela manha, se retirar do teatro com o cenário para que a orquestra passe ensaios, liberando o teatro em torno de 1 hora antes da apresentação, apesar de ter dar tudo certo, o stress para que tudo esteja em perfeita harmonia para a apresentação pode ocasionar preocupações e erros, mas apesar disso, deu tudo certo e fizemos uma belíssima apresentação.
   Então termino aqui avaliando que tivemos uma ótima temporada com um publico participativo, durante a apresentação e após o mesmo, com o debate gerado apos o espetáculos para sentirmos e avaliarmos a reação do publico com o mesmo. Vida longa ao teatro."

Produção em TOCANTINS COM WOLNEY JACOMO DE SOUSA 
As atividades desenvolvidas concentraram-se em acompanhar a comemoração dos cinco anos do Espetáculo Boneco de Cor com as apresentações no Estado do Tocantins, nas cidades de Porto Nacional, Palmas e Tocantínea. As apresentações seguiram o seguinte cronograma: dia 13/6 na COMSAÚDE, em Porto Nacional; dia 14/6, na Escola municipal CRISPIN PEREIRA ALENCAR, no distrito de Taquaruçu – Palmas; dia 16/6, na Escola Municipal de Tempo Integral Caroline Campelo Cruz da Silva, em Palmas; dia 16/6, no Festival do circo de Taquaruçu – Palmas-TO; dia 17/6, no Bairro Morada do Sol - Espaço Maria Nazaré, em Palmas; dia 19/6, na Aldeia Salto KRIPRE, no município de Tocantínia; dia 20/6, na Aldeia Salto KRIPRE - Projeto de Leitura COFO, no município de Tocantínia; dia 21/6, na Escola Municipal Carmencita, em Porto Nacional. Além de articular a viabilização das concessões dos espaços das apresentações, entre as atribuições dentro do espetáculo estavam a sonoplastia e iluminação, nas quais transcorreram positivamente.
 É importante ressaltar que entre os aspectos positivos da turnê do Espetáculo Boneco de Cor no Tocantins, a receptividade e envolvimento do público que se fez presente foi de grande respeito e carisma, por onde o espetáculo passou transmitiu diversas mensagens apresentadas no texto por meio da representação dos bonecos, cujas temáticas variavam desde os casos corriqueiros do cotidiano até aos princípios, valores e feitos humanos, interpretados na vida em sociedade. Outro aspecto positivo foi o fato de que muitas das comunidades visitadas não tinham tido acesso ao teatro de nenhuma espécie, especialmente, ao teatro de bonecos. Essa foi uma grande oportunidade de difundir o trabalho de bonecos, bem como levar a arte nos lugares socialmente excluídos. O espetáculo emocionou e felicitou a todos, distribuindo um misto de lazer e cultura por onde esteve.


Plano estratégico de comunicação e divulgação:
Amanda Costa da produtora Amora produções foi a responsável pela acessória de divulgação onde tivemos bons resultados na mídia.

Depoimento de Amanda Costa:
Segue minha "reflexão", sobre os pontos positivos e negativos e o plano de assessoria de imprensa para o espetáculo comemorativo de 5 anos: "O Boneco de Cor".
Justamente; por ser uma comemoração optei por usar como estratégia o gancho do aniversário, para ter maior aceitabilidade. Busquei através de entrevista com o diretor do espetáculo Marcos Marrom contar o histórico da companhia e apresentar aos colegas jornalistas o que o público iria assistir. Muito mais do que a sinopse tentei criar uma magia do que os bonecos iriam proporcionar ao público. Oficinas e peça gratuitas em circulação pelos estados de Goiás, Tocantins e o Distrito Federal eram de fato um "prato cheio" para as mídias.    

Em Goiás, como já desenvolvo um trabalho de assessoria de imprensa de longa data fiz a divulgação de forma padrão e obtive êxito. Pois, foi divulgada em rádios, como interativa e RBC e vários portais de notícias como: http://www.ohoje.com/noticia/cultura/n/133863/t/espetaculo-o-boneco-de-cor-comemora-5-anos

No Tocantins, obtive os contatos de jornalistas e produtores dos principais jornais, Tvs e Rádios (por meio de um colega de faculdade / fiz UFT). Não fiquei confiante, pois não tenho vínculos lá e contactei duas amigas, que também são assessoras de imprensa para me darem uma força (estratégia). Daí o resultado foi excelente. Inclusive, com contato da TV Anhanguera da praça de Palmas-TO para entrevistar o diretor do espetáculo. Segue links de algumas publicações: http://www.palmas.to.gov.br/secretaria/educacao/noticia/1504911/escolas-do-municipio-recebem-o-teatro-do-maleiro/


Brasília; utilizei a mesma estratégia que usei para a divulgação no Tocantins - só que aqui infelizmente não tivemos retorno de mídia. Creio que a pauta não interessou os jornalistas dos portais de Notícias e nem de jornais como o Correio Brasiliense - por fatores que não sei precisar. Talvez em uma próxima oportunidade, possa ser divulgado 5 dias antes e não 3 como foi feito ou ainda ter explorado melhor os follows. 
A sinopse divulgado no jornal aqui em baixo:
começa nesta segunda feira dia 05 de junho de 2017 a circulação do espetáculo “O Boneco de Cor” pelos estados de Goiás, Tocantins e Distrito Federal em comemoração ao marco de 100 apresentações. A Cia Teatro do Maleiro pela primeira vez tem o incentivo a Cultura Municipal de Goiânia. Todas as apresentações e oficinas serão de graça para o público.

Sabia que boneco também tem vida? O Teatro do Maleiro tem dado sotaques, trejeitos e malícias ao Gilberto (tocador de gaita), ao Velho Cirilo (sábio senhor) e tantos outros personagens do espetáculo “Boneco de COR”, que já completou meia década. Quem já teve o privilégio de assistir e se emocionar não vai discordar da vivacidade deles. Para você leitor que ainda nunca ouviu falar sobre teatro de animação é chegada a hora de brindar e cantar parabéns com oficinas e espetáculos, que ocorrerão do dia 5 ao dia 8 de junho em Goiânia.
“Eu posso estar visualmente sozinho no palco, mas nunca estou só porque estou com os bonecos. Sem falar que o espetáculo é coletivo, muitas pessoas passaram pela equipe. Viajamos por várias regiões do Brasil: São Paulo, Curitiba... Já ganhamos vários prêmios e nesses 5 anos estamos chegando ao –número de 100 apresentações”, disse emocionado o ator-bonequeiro Marcos Marrom. 
Os cinco bonecos que entram em cena são manipulados de forma variada, usando cordas ou somente as mãos, como cada um foi confeccionado. Alguns são de madeira, outros de papel ou tecido. “Trabalhar com bonecos demora tempo, encontrar a manipulação desejável mais um tempo. O espetáculo chega aos 5 anos e isso é legal para nós, porque cada apresentação é um novo espetáculo  e precisamos de mais tempo para encontrar detalhes que ainda não foi  encontrado”, afirma Marrom.
“Foi pela poesia que buscamos um caminho para entender a complexidade das sensações humanas, onde  precisamos trabalhar em prol do viver e saber o que é o viver. O medo, a tristeza, a velhice, a juventude, a pobreza e a riqueza são elementos muito fortes no texto. Tudo isso, apresentado pelos personagens de uma forma divertida e poética”, complementa Marcos Marrom.

Sinopse:

Em cena uma história rodeada de personagens sociais do dia a dia. O espectador vê acontecendo uma verdadeira poética, constituída por músicas, poesias e interação. “O Boneco de Cor” não é apenas uma história, mas um mundo com várias histórias. As personagens que habitam esse mundo são bonecos com os quais o ator-bonequeiro dialoga e contracena. Os bonecos, construídos de madeira e papel, ganham existência diante de nossos olhos para, com movimentos corporais cheios de sutilezas, brincar de ser. Feito para todo tipo de público, o espetáculo cativa crianças, jovens e adultos. Todos se encantam por um universo em que a simplicidade se torna magia.

Teatro do Maleiro
O primeiro espetáculo da Cia. Teatro Maleiro, Cuerda Bamba, teve sua estreia em 2008, sendo apresentado durante 3 anos. Este espetáculo foi à mola propulsora para a montagem do novo espetáculo “O Boneco de Cor”, resultado do amadurecimento do ator-bonequeiro, Marcos Marrom e das técnicas utilizadas.



Rita Alves


A execução de luz e som de um espetáculo são funções que exigem atenção, sensibilidade, conhecimento técnico e conhecimento prévio do espetáculo por meio de ensaios. Ensaios estes, que permite ao operador destas funções sentir a pulsação da apresentação e assim poder respirar junto com a encenação e dialogar com o artista descobrindo a melhor maneira que a luz e o som possam dialogar com o espetáculo apresentando. Em se tratando de um espetáculo de bonecos, onde a poesia é um elemento forte e constante a falha na operação de luz e som pode comprometer seriamente a representação.
Avaliando a minha participação no projeto de Circulação do Boneco Cor, na função de operadora de luz e som, digo que foi satisfatória, mais para o ruim. Das condições necessárias a esse profissional eu só dispunha da sensibilidade, o que não foi suficiente, prejudicando a apresentação na maioria das vezes, principalmente na questão do som. Com relação a pontualidade e apoio diria que foi bom.
Penso que a falta de ensaios, antes da circulação, contribuiu para o resultado pouco satisfatório e as condições técnicas de alguns espaços e aqui cito: Martim Cererê e Teatro Cidade Livre, somadas as minhas dificuldades técnicas também contribuíram para que as apresentações não tivessem o êxito esperado.
Penso que para parcerias futuras é fundamental o ensaio. E diálogo sempre, durante os ensaios, antes e depois da apresentação, afinal cada apresentação dadas as circunstancias e locais são únicas, e cada uma deve ser avaliada na sua especificidade. 

Marcos Marrom 

Foi uma experiência única. Acho que se nós não tivéssemos, o projeto contemplado pela  lei de incentivo a cultura. Essa viajem linda com apresentações e com muitas emoções, seria impossível. Várias pessoas, que nem sequer eu imaginava conhecer, agora já comunico pelo o meu e-mail, e com possibilidades de voltar, para outras apresentações.

Tive algumas experiencias que conto aqui. É uma grande satisfação de aprender e poder ensinar um pouco da minha arte. Percebo que a cada apresentação é muito mais do que levar o boneco para cima da empanada. É muito politico, questionador e comunicativo. E é por isso que  cada vez  também preciso trabalhar para o meu trabalho ser melhor.

 O que mais me chamou atenção, foi, que as pessoas depois de assistir chegava em mim para me cumprimentar ou tirar uma foto, e algumas vezes me abraçava perguntando sobre o projeto.  Passou várias situações, apresentar pela primeira vez em uma aldeia indígena e dormir junto com essa cultura, a empanada cair na quadra de esporte quando o vento era forte, familia do Marcos Amaral Lotufo me receber na rodoviária, apresentar em assentamento. Foram alguns momentos inesquecíveis, que vou levar para minha vida.   

Uma senhora gostou tanto, que saiu de sua cadeira e logo  deu um grande  abraço no boneco Cirilo Florentino, na hora pensei que o boneco era até gente.  Outras pessoas curiosas,  vinham perguntar como o  Gaitista Gilberto tinha aquela habilidade. E foi estas perguntas que me alimentou como artista. Aldeia Salto kripré Xerente referencia na região, me tratou muito bem e fiz duas apresentações no local.

Fomos apresentar o espetáculo de bonecos sem saber como seria o resultado, as crianças não entendia o português. Como o espetáculo, tem o foco na imagem e o silêncio, foi compreensível o que estava sendo expressado. Surpreender  foi quando o personagem Cavaleiro Mão rasga o dinheiro, e ao terminar eu falo: quando vocês ver um dinheiro, rasgue, e os índios mais velhos, repudiando a minha fala, abaixa a cabeça. E termino dizendo, se não houvesse dinheiro, não estaríamos nesta guerra.

Na aldeia foram duas apresentações que foram ricas. Como a Aldeia não tinha caixa de som, apresentamos os personagens que não utilizavam os  aparatos eletrônicos. O projeto foi apresentado  na aldeia pelo convite da professora Aparecida, conhecida como Cidinha, que faz o  projeto COFO de leitura pelo centro universitário Luterano de Palmas. (CEULP/ULBRA).
Sempre surpreendendo com as viagens, na rodoviária de Porto passa um menino que para quando me ver. “Você hoje estava na minha escola” na hora  achei muito bacana, porque aquele menino tinha visto o espetáculo a uma hora antes daquele encontro. Samuel seu nome vendia cebolinhas. Ficou um tempo comigo e conversamos, queria que eu tirasse todos os bonecos da mala. 

Ali peguei o ônibus e voltei para Goiânia. Porque acho que Goiânia é a cidade de partida e volta. Sabendo que essa viajem apenas começou. Não sei se voltaremos, mas  em uma outra cidade vamos mostrar este espetáculo O BONECO DE COR, que tem apenas 5 anos. 


Conclusão
O projeto O BONECO DE COR 5 ANOS ora em encerramento e cumprindo o seu ultimo ato, aponta alguns pontos avaliativos do projeto.
1.  Temos a dizer que ao trabalhar com a lei de incentivo pela primeira vez estivemos satisfeito, pelo resultado e pela resposta do publico e sociedade. E o incentivo foi muito importante para continuação da pesquisa  e o fortalecimento do espetáculo.
2.  O trabalho que já acontecia foi muito bom, e as oficinas precisamos melhorar para ter maior resultados palpáveis.
3.  Os recursos financeiro tivemos que adaptar para acontecer o projeto, não pagamos 100% o valor do trabalho do ator e produção. Tivemos que rever e combinar com os trabalhadores. E algumas das ações tiveram que ser trocados por ações voluntarias, para não faltar nas ações previstas.
4.  O exercício do trabalho conjunto foi importante, inclusivo a direção geral e o acompanhamento do processo de articulação com os espaços. Gerou em alguns espaços desentendimento de dia e horário. Mas foi resolvido com tranquilidade e compreensão. 
5.  Envolvemos com outras pessoas, cultura e linguagens, como as pessoas  que tiveram envolvidos nas oficinas, quanto nas apresentações, além de resultados de  curto prazo da oficina, gerando laços que, bem sendo cedo já trouxeram benefícios pontuais, para os envolvidos.
6.   Tivemos laços muito positivos com grupo Bagagem teatro de bonecos em  Brasilia e o coletivo  Tambores de Tocantins   e a instituição Com Saúde, uma relação boa com o projeto COFO e com a responsável professora Cida da faculdade ULBRA e a TRUPE de circo OS CACOS. Deixamos uma boa impressão  para futuros projetos nestas regiões, e por fim consolidando a parceria com o espaço Teatro Cidade Livre em Aparecida de Goiânia.
7.  De modo geral reafirmamos que o projeto foi executado como imaginamos e tivemos até melhores resultados, onde tivemos até  mais apresentações do planejado, e  em lugares que nunca imaginamos está. Tivemos a honra de apresentar  em uma aldeia  indígena de Tocantins,  que é uma das maiores da região que se chama Xerente no município  de Tocantinia. Escola no município de Porto Nacional em um assentamento. Em Porto Nacional na Escola  familiar Agrícola, que os alunos moram e pesquisam sobre os animais e vegetais. Na praça do Gama Teatro do centro de Goiânia e na periferia, junto com um bairro que fica em Aparecida de Goiânia.
8.   Tudo foi tranquilo e calmo esperamos que este projeto possa circular por mais anos. Buscando outras regiões que não tem acesso ao teatro de bonecos. E o legal é falar de Goiânia e de Goiás. 
FOTOS DO PROJETO:


A CIA. AGRADECE A TODOS ENVOLVIDOS. 

Comentários